sexta-feira, agosto 09, 2013

em defesa dos vampiros


Desculpa Martha Medeiros, mas vc dessa vez (veja texto adiante) escorregou na casca de banana do clichê: preconceito contra um dos arquétipos mais poderosos da cultura moderna, o Vampiro, do ancião de Bram Stoker aos jovenzinhos idiotas da saga Crepúsculo - cultura intelectualmente depravada e de privada é assim, vai se infantilizando com o tempo.
 O homem eterno cai no tempo e regride, até virar gente como os três jovens que me torraram a paciência no superlotado metrô de agora há pouco, eles e sua conversa fiada, risadas de um nível mental "Pânico na TV", malas (em coisa e pessoa) e tom de voz acima do necessário. 
Em contraponto à bobagem que vocês lerão, escutem a seguir o curto e excelente comentário que colhi na internet acerca do real significado do Vampiro. E sobretudo, não se deixem levar por "metáforas" que carregam nas costas todo uma história de ignorância e discriminação. Vampiros não nos dão senão o espelho em que eles não aparecem, mas nós sim. São mestres em sedução, o que não é manipulação, mas seu modo de oferta de amor a quem lhes interessar, proposta de compartilhamento do "sangue" de que fala Nietzsche como sendo o único combustível da escrita veraz, e do viver para além do nível banal da gente miúda e seus manuais de felicidade a crédito ou débito. Sem dívida, sem crédito, sem crença, pelo poder do saber. 
http://www.redevampyrica.com/home/?p=8103
-Unzuhause-

VAMPIROS

Eu não acredito em gnomos ou duendes, mas vampiros existem. Fique ligado, eles podem estar numa sala de bate-papo virtual, no balcão de um bar, no estacionamento de um shopping. Vampiros e vampiras aproximam-se com uma conversa fiada, pedem seu telefone, ligam no outro dia, convidam para um cinema. Quando você menos espera, está entregando a eles seu rico pescocinho e mais. Este "mais" você vai acabar descobrindo o que é com o tempo.

Vampiros tratam você muito bem, têm muita cultura, presença de espírito e conhecimento da vida. Você fica certo que conheceu uma pessoa especial. Custa a se dar conta de que eles são vampiros, parecem gente. Até que começam a sugar você. Sugam todinho o seu amor, sugam sua confiança, sugam sua tolerância, sugam sua fé, sugam seu tempo, sugam suas ilusões. Vampiros deixam você murchinha, chupam até a última gota. Um belo dia você descobre que nunca recebeu nada em troca, que amou pelos dois, que foi sempre um ombro amigo, que sempre esteve à disposição, e sofreu tão solitariamente que hoje se encontra aí, mais carniça do que carne.

Esta é uma historinha de terror que se repete ano após ano, por séculos. Relações vampirescas: o morcegão surge com uma carinha de fome e cansaço, como se não tivesse dormido a noite toda, e você se oferece para uma conversa, um abraço, uma força. Aí ele se revitaliza e bate as asinhas. Acontece em São Paulo, Manaus, Recife, Florianópolis, em todo lugar, não só na Transilvânia. E ocorre também entre amigos, entre colegas de trabalho, entre familiares, não só nas relações de amor.

Doe sangue para hospitais. Dê seu sangue por um projeto de vida, por um sonho. Mas não doe para aqueles que sempre, sempre, sempre vão lhe pedir mais e lhe retribuir jamais.
- Martha Medeiros