Monday, November 25, 2013

pela mártir de Alexandria (dia de Santa Catarina)



a roda de Ixíon, castigo dos desejos incontrolados e da soberba contra os deuses, ao contrário do suplício de Catarina, padroeira dos estudantes, mais ainda, dos buscadores da Sabedoria, e símbolo de renúncia aos falsos prazeres e saberes do mundo imundo e comunhão com o Princípio Espiritual; "o que está em ti é maior que o que está no mundo" (Unzuhause)
Neste dia lembramos a vida desta santa que é inspiradora e protetora de um Estado brasileiro: Santa Catarina. Nascida em Alexandria, recebeu uma ótima formação cristã. É uma das mais célebres mártires dos primeiros séculos, um dos Santos Auxiliadores. O pai, diz a lenda, era Costes, rei de Alexandria. Ela própria era, aos 17 anos, a mais bonita e a mais sábia das jovens de todo o império; esta sabedoria levou-a a ser muitas vezes invocada pelos estudantes. Anunciou que desejava casar-se, contanto que fosse com um príncipe tão belo e tão sábio como ela. Esta segunda condição embargou que se apresentasse qualquer pretendente.
“Será a Virgem Maria que te procurará o noivo sonhado”, disse-lhe o ermitão Ananias, que tinha revelações. Maria aparece, de fato, a Catarina na noite seguinte, trazendo o Menino Jesus pela mão. “Gostas tu d’Ele?”, perguntou Maria. -”Oh, sim”. -”E tu, Jesus, gostas dela?” -”Não gosto, é muito feia”. Catarina foi logo ter com Ananias: “Ele acha que sou feia”, disse chorando. -”Não é o teu corpo, é a tua alma orgulhosa que Lhe desagrada”, respondeu o eremita. Este instruiu-a sobre as verdades da fé, batizou-a e tornou-a humilde; depois disto, tendo-a Jesus encontrado bela, a Virgem Santíssima meteu aos dois o anel no dedo; foi isto que se ficou chamando desde então o “casamento místico de Santa Catarina”.
Ansiosa de ir ter com o seu Esposo celestial, Catarina ficou pensando unicamente no martírio. Conta-se que ela apresentou-se em nome de Deus, diante do perseguidor, imperador Maxêncio, a fim de repreendê-lo por perseguir aos cristãos e demonstrar a irracionalidade e inutilidade da religião pagã. Santa Catarina, conduzida pelo Espírito Santo e com sabedoria, conseguiu demonstrar a beleza do seguimento de Jesus na sua Igreja. Incapaz de lhe responder, Maxêncio reuniu para a confundir os 50 melhores filósofos da província que, além de se contradizerem, curvaram-se para a Verdade e converteram-se ao Cristianismo, isto tudo para a infelicidade do terrível imperador.
Maxêncio mandou os filósofos serem queimados vivos, assim como à sua mulher Augusta, ao ajudante de campo Porfírio e a duzendos oficiais que, depois de ouvirem Catarina, tinham-se proclamado cristãos. Após a morte destes, Santa Catarina foi provada na dor e aprovada por Deus no martírio, tendo sido sacrificada numa máquina com quatro rodas, armadas de pontas e de serras. Isto aconteceu por volta do ano 305. O seu culto parece ter irradiado do Monte Sinai; a festa foi incluída no calendário pelo Papa João XXII (1316-1334).
Santa Catarina de Alexandria, rogai por nós!

Uma linda jovem de 17 anos, filha de Costus, o rei da Alexandria, foi ao palácio do imperador romano Maximino II para convencê-lo, através de teologia e filosofia, da inutilidade do culto aos deuses pagãos. Muito sábia e piedosa, desejava convertê-lo ao cristianismo e assim acabar com a perseguição aos cristãos.
    Surpreso e encantado, o imperador a pediu em casamento, prometendo até divorciar-se para se dedicar só a ela. Ele mal sabia que Santa Catarina já havia desposado Jesus.
    Quando mais nova, dizia que queria casar com um jovem que fosse tão bonito e inteligente quanto ela. Assim recebeu várias visitas e cortejos, mas a todos ela recusava porque achava que lhes faltava ou beleza ou inteligência. Ananias, um sábio cristão eremita e visionário, a quem ela muito admirava, lhe disse: 'A Virgem Maria te encontrará um esposo.'
    Poucos dias depois, Nossa Senhora lhe apareceu trazendo o Menino Jesus pela mão. E perguntou a Santa Catarina: 'Tu gostas d'Ele?' Ela, muito encantada, foi logo dizendo: 'Oh, sim!' Maria, se voltando para Jesus, Lhe perguntou: 'E Tu? Gostas dela?' O menino Jesus, porém, respondeu com repúdio: 'Não, é muito feia.' Chorando muito, Santa Catarina foi logo que pôde ao encontro de Ananias, e ele sabiamente lhe explicou: 'Não é tua beleza que Ele reprova, mas o orgulho que vive em tua alma.'
    Foi quando ela passou a ouvir ainda mais atentamente as palavras do sábio eremita e abraçou verdadeiramente o cristianismo. Por exercícios de ascese, alcançou a humildade que lhe faltava. Então, mais uma vez lhe apareceu Nossa Senhora acompanhada do menino Jesus, que agora lhe olhava com pureza nos olhos. A Virgem Santíssima tinha um par de alianças e colocou uma em seu dedo e a outra no dedo do Menino Jesus. Esse é o conhecido 'casamento místico de Santa Catarina'.
    A proposta de casamento do imperador, portanto, encontrava esse obstáculo intransponível. E diante da convicta recusa de Santa Catarina e de seus persistentes argumentos tentando lhe converter, o imperador convocou 50 sábios sacerdotes da religião pagã para debater com aquela jovem humilde, que lhe parecia enigmática, mas certamente também muito sábia. Qual não foi sua irritação ao ver que os sábios não podiam lhe resistir! Movida profundamente pelo Espírito de Deus, em poucos dias Santa Catarina não só os calou como também conseguiu convertê-los. Furioso, Maximino II, ordenou que os sábios fossem queimados vivos. Junto com eles, foram queimados também sua esposa, o ajudante de campo Porfírio e quase 200 oficiais. Impressionados com aquela jovem tão iluminada, todos eles haviam acompanhado os debates e também haviam se convertido.
    Quanto à Santa Catarina, ele ordenou que fosse morta sob tortura por uma roda de navalhas. Mas, sem mostrar nenhum temor, pois esperava ardentemente viver em definitivo seu desposamento com Cristo, ela simplesmente fez o sinal da cruz e esperou a morte. Por milagre, o aparelho se despedaçou sem sequer lhe atingir.
Estupefato, mas temendo um novo vexame, Maximino II a conduziu pessoalmente para fora da cidade e a decapitou. Do seu pescoço, no entanto, saiu apenas leite, o que fez o imperador se retirar visivelmente trêmulo e assombrado. Era por volta do ano de 308.
    Seu corpo, porém, não restou ali muito tempo, pois anjos de Deus apareceram e o levaram para o Monte Sinai, ao local onde Moisés teria visto a sarça ardente. Entre 527 e 565, por ordem do imperador cristão Justiniano I, aí foi erguido um monastério, o mais antigo em atividade de toda cristandade.
Desde o sepultamento, assistido por monges eremitas cristãos, o lugar se tornou um ponto de peregrinação, onde grandes graças eram alcançadas. Mas só no século VII, após o término da construção do monastério, seu túmulo foi devidamente identificado, pois os monges locais o ocultaram durante as obras, temendo que infiéis ou saqueadores o violassem. Tal lapso de tempo, contudo, só fez aumentar a devoção à jovem mártir.
    Já no século XV, Santa Catarina apareceu várias vezes àSanta Joana d'Arc, indicando inclusive o lugar onde ela encontraria a espada para levar a França à vitória contra os ingleses na Guerra dos Cem Anos.
    Ela é também uma dos 14 Santos Auxiliares, os intercessores eficazes contra algumas doenças específicas: é a protetora contra a morte súbita. É aclamada também como a padroeira dos estudantes, filósofos e professores.



Oração

    Santa Catarina de Alexandria, que tivestes uma inteligência abençoada por DEUS, abre a minha inteligência, fazei-me compreender as matérias de aula, dá-me clareza e calma na hora dos exames, para que possa ser aprovado. Eu quero aprender sempre mais, não por vaidade, nem só para agradar aos meus familiares e professores, mas para ser útil para mim mesmo, a minha família, à sociedade e à minha Pátria. Santa Catarina de Alexandria, conto contigo. Conta também tu comigo. Eu quero ser um bom cristão para merecer a tua proteção. Amém.