Sunday, September 13, 2015

a serpente na bandeira


RICKI AND THE FLASH
EUA, 2015
Direção - Jonathan Demme
Roteiro- Diablo Cody
Com mais de 50 anos de idade, Ricki (Meryl Streep) é uma cantora de rock, que sempre se apresenta com a banda The Flash em um pequeno bar. A situação financeira é precária, e ela não vê os filhos adultos há décadas. Um dia, o ex-marido Pete (Kevin Kline) liga para Ricki, avisando que a filha Julie (Mamie Gummer) foi abandonada pelo marido, e pedindo ajuda para tirá-la de um estado depressivo. Reticente, a mãe retorna ao lar, e descobre que tanto Julie quanto seus dois irmãos têm muito ressentimento por causa do abandono quando eram crianças. Essa é a oportunidade para Ricki fazer as pazes e tentar ser mais presente na vida deles.

Não bastasse o espetáculo costumeiro de atuação, Meryl Streep, em "Ricki and the Flash" nos oferece o de roqueira dando voz e vida próprias a um repertório variado, que vai de Lady Gaga e Pink a clássicos de Bruce Springsteen, Rolling Stones e U2.
Praticamente nula a chance de um filme assim dar errado. E não dá. Pode não ser memorável, mas diverte e emociona. E traz subtextos de questionamento dos rumos da sociedade americana (e portanto do mundo) hoje. A enorme bandeira tatuada nas costas de Ricki chama a atenção também pela serpente no seu centro. E vemos essa tatuagem quando, num embate  com a nova mulher de seu ex-marido, Ricki a acusa de ter "envenenado", ao longo dos anos, sua imagem diante dos filhos. Isso apesar de ter sido ela, Ricki, que decidiu abandoná-los, e ao marido (um executivo bem sucedido), e à vida confortável e previsível, em troca do desejo de "drift away", ir para longe,  com a alma liberta pelos deuses do rock.
"Drift away" (ouça abaixo) é uma das preciosidades que o filme nos traz, íntegra (em mais de um sentido), em performance poderosa de Streep. Ela é cantada num momento peculiar pela alegria e gratidão da protagonista com o espantoso gesto de amor de seu companheiro atual, Greg, num espírito bem "rock' n' roll" de, por mais que atolados em dívidas e numa carreira com vocação, mas sem o sucesso esperado, vender a mais dileta guitarra para que Ricki pudesse ir ao casamento de um dos filhos.
É o divórcio de Julie (Mamie Gummer, sua filha na tela e na vida real) que motivou, paradoxalmente, a reversão deste outro divórcio, o de Ricki com a família que havia "largado", se é que somos justos falando assim. O filme questiona essa desigualdade de tratamento a homens e a mulheres quando  se entregam ao espírito "on the road" dos roqueiros. Por que o sonho de ser uma rock star exigiu de Linda, nome de batismo de Ricki, uma separação tão traumática? Culpa dela ou também do modelo familiar em que esse tipo (entre outros) de desejo soa a aberração dissonante?  
Mas o filme não se contenta com maniqueísmos de nenhum tipo. Ricki -ao contrário da família!-  se identifica com o Partido Republicano, votou duas vezes em George W. Bush, é sarcástica com a América de Obama , provavelmente a razão mais imediata de sua serpente sobreposta à bandeira. Claro que um símbolo desse porte escapa de tal intenção primeira e se irradia como alerta, não da personagem, mas do filme, para a necessidade de reconciliação, tolerância, empatia, generosidade. De parte a parte. Não só da família tradicional rígida, produtora de casamentos, traições e dissoluções (como a do casamento de Julie) em série, apesar de prezar os  "bons costumes" e a união gregária. Também Ricki é retratada em seu embaraço  com o homossexualismo do filho, embora tenha uma afeto nada homofóbico pelo barman de sua boate, o "club" caído em que ela diverte meia dúzia de gatos pingados há anos,  com "The Flash", sua banda de cinquentões de uma  diversidade étnica interessante, ao contar também com um negro e um tipo indígena.
Outra música que ajuda a reverberar a força do filme, não só pelo carisma de Streep, é  "I Still Haven' t Found What I'm Looking For", de U2. Fala da busca ainda insatisfeita, do desejo que portanto é ainda jornada, como  "Journey" é o nome da  filha de pai divorciado, que Ricki e Julie (ainda com cabelos desgrenhados como seu estado de devastação emocional) encontram no bar, na manhã seguinte à chegada da mãe roqueira de volta para casa, em busca do que ainda não tinha encontrado, reconciliação não com o passado, que está decidido, mas com as feridas legadas pelo passado ao presente, hiatos que pareciam afetar inclusive sua capacidade de curtir a vida que optou por viver. Vide o desconforto (que racionaliza como sendo uma tensão boa de transmitir para a platéia) de seus primeiros diálogos no palco com Greg. 





Drift Away
-Rolling Stones-

Day after day, I'm more confused
Yet I look for the light
Through the pourin' rain
You know, that's a game that I hate to lose
And I'm feeling the strain
Ain't it a shame

Oh, give me the beat, boys, and free my soul
I want to get lost in your rock and roll
And drift away
Oh, give me the beat, boys, and free my soul
I want to get lost in your rock and roll
And drift away

Beginning to think that I'm wasting time
I don't understand the things I do
The world outside looks so unkind
Now I'm counting on you
To carry me through

Oh, give me the beat, boys, and free my soul
I want to get lost in your rock and roll
And drift away
Oh, give me the beat, boys, and free my soul
I want to get lost in your rock and roll
And drift away

And when my mind is free
You know a melody can move me
And when I'm feeling blue
The guitar's coming through to soothe me

Thanks for the joy that you're given me
I want you to know I believe in your song
Your rythm and rhyme and harmony
You've helped me along
Makin' me strong

Oh, give me the beat, boys, and free my soul
I want to get lost in your rock and roll
And drift away
Oh, give me the beat, boys, and free my soul
I want to get lost in your rock and roll
And drift away
Na, na, now won't ya

Won't ya take, oh, ha, take me


Dia após dia, estou mais confuso
Mas olho para a luz
Através da chuva caindo
Você sabe, esse jogo eu odeio perder
E sinto a tensão

Não é uma vergonha?

Oh, me deem a batida, garotos, e libertem meu espiríto
Quero me perder no seu rock in roll
E ir para longe
Oh, me deem a batida, garotos, e libertem meu espiríto
Quero me perder no seu rock in roll
E ir para longe

Começo a pensar que estou perdendo tempo
Não entendo as que coisas que faço

O mundo lá fora parece tão rude

Agora estou contando com você
Para me carregar através

Oh, me deem a batida, garotos, e libertem meu espiríto
Quero me perder no seu rock in roll
E ir para longe
Oh, me deem a batida, garotos, e libertem meu espiríto
Quero me perder no seu rock in roll

E ir para longe
E quando minha mente for livre
Você sabe a melodia pode me mover
E quando eu estiver me sentindo triste
A guitarra virá me acalmar

Obrigado pela alegria que vocês me deram
Quero que você saiba que acredito em sua música
Seu ritmo e rima e harmonia
Você me ajudou

Me fazendo forte

Oh, me deem a batida, garotos, e libertem meu espiríto
Quero me perder no seu rock in roll
E ir para longe
Oh, me deem a batida, garotos, e libertem meu espiríto
Quero me perder no seu rock in roll
E ir para longe
Na, na , agora me , por que você não?
Por que você não, oh, ha, me leve