segunda-feira, junho 11, 2018

sexta-feira, junho 08, 2018

Ed Sheeran, Photograph


Juice Newton, Angel of the morning



There'll be no strings to bind your hands
Not if my love can't bind your heart
And there's no need to take a stand
For it was I who chose to start
I see no need to take me home
I'm old enough to face the dawn
Just call me angel of the morning (angel)
Just touch my cheek before you leave me, baby
Just call me angel of the morning (angel)
Then slowly turn away from me
Maybe the sun's light will be dimming
And it won't matter anyhow
If morning's echo says we've sinned
It was what I wanted now
And if we're victims of the night
I won't be blinded by the light
Just call me angel of the morning (angel)
Just touch my cheek before you leave me, baby
Just call me angel of the morning (angel)
Then slowly turn away
I won't beg you to stay with me
Through the tears of the day, of the years
Baby
Just call me angel of the morning (angel)
Just touch my cheek before you leave me, baby
Just call me angel of the morning (angel)
Just touch my cheek before you leave me, darling
Just call me angel of the morning (angel)
Just touch my cheek before you leave me, darling

quarta-feira, junho 06, 2018

Minuto da Sabedoria

Cada desgraça particular parece, é certo, uma exceção, mas a desgraça geral é a regra.
SCHOPENHAUER
As Dores do Mundo

terça-feira, junho 05, 2018

domingo, junho 03, 2018

sábado, maio 05, 2018

Foi ao partir o pão

O Cristo nosso irmão, ressuscitado depois de morrer. Ao partir com amor o pão, se deu a conhecer. Foi ao partir o pão irmãos, foi ao partir o pão. Foi ao partir o pão, que Jesus se deu a conhecer.
Nunca estás ausente Senhor, mas custoso Te é reconhecer; Tu, Te aproximas de nós no irmão, dá-nos a fé pra Te ver!
Nunca estás ausente Senhor, sobretudo em nossa aflição; É preciso sofrer e se compadecer, é mister pra cumprir a missão.
Nunca estás ausente Senhor, quando estamos em reunião; Pra ver, julgar e agir como Tu, dá-nos a Tua visão.
Presente estás na ausência Senhor, vivemos em Tua mão; Aumenta em nós confiança em Ti, esperança de ressurreição.
Nunca estás ausente Senhor, mas como Te reconhecer? Se Tu abrires os olhos da fé, então poderemos Te ver!

quarta-feira, abril 25, 2018

quarta-feira, abril 18, 2018

quarta-feira, abril 04, 2018

terça-feira, abril 03, 2018

segunda-feira, abril 02, 2018

sábado, março 24, 2018

a fenda e a luz


"There's a crack in everything, 
that' s how the light gets in"
Leonar Cohen, Anthem

sexta-feira, março 23, 2018

Novena a Maria Madalena


blog esotérico sobre Maria Madalena: http://northernway.org/mmag.html
++++
NOVENA A MARIA MADALENA:
http://viriditasbingen.canalblog.com/archives/2017/07/22/35519918.html
Texto introdutório:
Maria Madalena nunca duvidou do Cristo. Ela acreditava que ele realmente era o Messias.
Com outras mulheres, ela seguiu o Cristo, escutando Sua palavra e deliciando sua alma com os ensinamentos do Mestre.
Ao lado da Virgem Maria e do evangelista João, ela viu o Cristo partir em direção ao Pai após todo o sofrimento da Paixão.
Ela chorou lágrimas sentidas quando não encontrou o corpo do Mestre.
E sobretudo, ela foi a primeira à ver o Cristo ressuscitado e à anunciar a Sua ressurreição.
Em sua iconografia, Maria Madalena pode vir à ser representada com um vaso de perfumes que traz em suas mãos. Em algumas versões, o vaso não é considerado de perfume e sim de pomada ou bálsamo.
Ela também é representada com uma longa e farta cabeleira, símbolo típico da mulher cortesã pois naquela época, não era nada bem visto às mulheres deixarem seus longos cabelos soltos e à mostra.
Ambas as representações citadas acima, do vaso e da farta cabeleira, estão relacionadas à esta passagem da Bíblia, o relato de "Maria aos pés de Jesus" (embora seja apenas mencionado Maria e não, Maria Madalena): "Então Maria tomando um arrátel de unguento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do unguento. Então um dos seus discípulos, Judas Iscariotes, filho de Simão, o que havia de traí-lo, disse: Porque não se vendeu este unguento por trezentos dinheiros e não se deu aos pobres? Ora ele disse isto, não pelo cuidado que tivesse dos pobres, mas porque era ladrão, e tinha a bolsa, e tirava o que ali se lançava. Disse pois Jesus: Deixai-a; para o dia da minha sepultura guardou isto. Porque os pobres sempre os tendes convosco; mas a mim nem sempre me tendes." O nardo era um unguento caríssimo e está relacionado ao perfume. A farta cabeleira com os quais os pés de Jesus foram lavados e enxugados, antes, símbolo de devassidão e imoralidade, passa a ser um instrumento de redenção.
As vestes amarelas - cor associada à sensualidade na Idade Média estão presentes em algumas imagens e pinturas de Maria Madalena (principalmente, no período medieval) mas atualmente, o vermelho lhe vem sendo associado.
Na situação de Madalena penitente, a iconografia a mostra com vestes andrajosas, com um crânio na mão ou junto de si - símbolo da fugacidade da vida e um crucifixo junto do qual ela ora.
Depois da morte de Jesus, partiu em direção à terras estrangeiras (a França) e retirou-se como eremita para um gruta (la Sainte Baume) onde viveu por trinta anos, comendo raízes. Com o tempo as suas roupas gastaram-se e romperam-se, sendo que seus cabelos cresceram para a cobri-la. Por essa razão, Ela foi representada diversas vezes em diversas obras de arte com seus cabelos cobrindo-a completamente.
Maria Madalena recebia constantemente a visita de anjos e no dia da sua morte, eles a terão levado a receber o SS, elevando-a depois ao céu.
Não há qualquer fundamento bíblico para considerá-la como a prostituta arrependida dos pecados que pediu perdão a Cristo; também não há nenhuma menção de que tenha sido prostituta na Bíblia.*
O que é certo é que Maria Madalena foi uma grande mulher e discípula do Cristo.
Vamos, então, caminhar ao lado de Maria Madalena, durante estes nove dias de oração.

Nota*: Este episódio é frequentemente identificado com o relato de "Maria aos pés de Jesus": "Então Maria tomando um arrátel de unguento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do unguento. Então um dos seus discípulos, Judas Iscariotes, filho de Simão, o que havia de traí-lo, disse: Porque não se vendeu este unguento por trezentos dinheiros e não se deu aos pobres? Ora ele disse isto, não pelo cuidado que tivesse dos pobres, mas porque era ladrão, e tinha a bolsa, e tirava o que ali se lançava. Disse pois Jesus: Deixai-a; para o dia da minha sepultura guardou isto. Porque os pobres sempre os tendes convosco; mas a mim nem sempre me tendes." João 12, 2-9

fonte: blog Viriditas de Hildegarda de Bingen
http://viriditasbingen.canalblog.com


domingo, março 18, 2018

as pulsões - entrevista de Guattari


[descrição colhida no youtube ] Esta entrevista foi concedida por Félix Guattari, a pedido de Suely Rolnik, especialmente para o Simpósio "A Pulsão e seus Conceitos", organizado por Arthur Hyppólito de Moura e promovido pelo Núcleo de Estudos da Subjetividade da PUC-SP. A entrevista foi realizada por Rogério da Costa e Josaida Gondar, no apartamento de Guattari em Paris, em 12 de agosto de 1992 - duas semanas antes de sua morte. Essa conversação aborda algumas das temáticas mais caras ao pensamento de Guattari, como os limites da psicanálise, o paradigma ético-estético existencial, as novas narrativas sobre a ciência e os processos de construção de subjetividades. A transcrição² desta entrevista foi originalmente publicada em francês na revista Chimères, n. 20, Paris, outono de 1993, e em português no livro As pulsões , Arthur Hyppólito de Moura (org), São Paulo, Ed. Escuta, 1995.

Ó Cruz de Cristo



Ó Cruz de Cristo
-Papa Francisco* -

“Ó Cruz de Cristo, símbolo do amor divino e da injustiça humana, ícone do supremo sacrifício por amor e do extremo egoísmo por loucura, instrumento de morte e via de ressurreição, signo da obediência e emblema da traição, patíbulo da perseguição e estandarte da vitória.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo levantado em nossas irmãs e irmãos assassinados, queimados vivos, degolados e decapitados pelas espadas bárbaras e silêncio infame.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos rostos das crianças, das mulheres e das pessoas extenuadas e amedrontadas, que fogem das guerras e da violência, e que com frequência só encontram a morte e tantos Pilatos que lavam as mãos.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos doutores da letra e não do espírito, da morte e não da vida, que em vez de ensinar a misericórdia e a vida, ameaçam com o castigo e a morte e condenam o justo.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos ministros infiéis, que em vez de se despojarem de suas próprias ambições, despojam inclusive os inocentes de sua própria dignidade.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos corações endurecidos dos que julgam comodamente os demais, corações dispostos a condená-los inclusive ao apedrejamento, sem fixar-se nunca em seus próprios pecados e culpas.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos fundamentalismos e no terrorismo dos seguidores de certa religião, que profanam o nome de Deus e o utilizam para justificar sua inaudita violência.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos que querem retirar-te dos lugares públicos e excluir-te da vida pública, em nome de um certo paganismo laicista ou inclusive em nome da igualdade que tu mesmo nos ensinaste.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos poderosos e nos vendedores de armas, que alimentam os fornos da guerra com o sangue inocente dos irmãos.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos traidores, que por trinta denários entregam à morte qualquer pessoa.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos ladrões e nos corruptos, que em vez de salvaguardar o bem comum e a ética, se vendem no miserável mercado da imoralidade.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos tolos, que constroem depósitos para conservar tesouros que perecem, deixando que Lázaro morra de fome em suas portas.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos destruidores de nossa “casa comum”, que com egoísmo arruínam o futuro das gerações futuras.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos idosos abandonados por seus próprios familiares, nos incapacitados, nas crianças desnutridas e descartadas por nossa sociedade egoísta e hipócrita.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo no nosso Mediterrâneo e no Mar Egeu, convertidos em um insaciável cemitério, imagem de nossa consciência insensível e anestesiada.
Ó Cruz de Cristo, imagem do amor sem limite e via da Ressurreição, ainda hoje continuamos te vendo nas pessoas boas e justas, que fazem o bem sem buscar o aplauso ou a admiração dos demais.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos ministros fieis e humildes, que iluminam a escuridão de nossa vida, como candeias que se consomem gratuitamente, para iluminar a vida dos últimos.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo no rosto das religiosas e consagrados – os bons samaritanos – que deixam tudo para fazer curativos, no silêncio evangélico, nas chagas da pobreza e da injustiça.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos misericordiosos, que encontram na misericórdia a expressão mais alta da justiça e da fé.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nas pessoas sensíveis, que vivem com alegria sua fé nas coisas ordinárias e no fiel cumprimento dos mandamentos.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos arrependidos, que desde a profundidade da miséria de seus pecados, sabem gritar: “Senhor, lembra-te de mim quando estiveres em teu reino!”
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos beatos e nos santos, que sabem atravessar a escuridão da noite da fé, sem perder a confiança em ti e sem pretender entender teu silêncio misterioso.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nas famílias que vivem com fidelidade e fecundidade sua vocação matrimonial.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos voluntários que socorrem generosamente os necessitados e maltratados.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos perseguidos por sua fé, que com seu sofrimento seguem dando testemunho autêntico de Jesus e do Evangelho.
Ó Cruz de Cristo, ainda hoje continuamos te vendo nos sonhadores, que vivem com um coração de meninos e trabalham cada dia para tornar o mundo um lugar melhor, mais humano e mais justo.
Em ti, Cruz Santa, vemos a Deus, que ama até o fim, e vemos o ódio que domina e cega o coração e a mente dos que preferem as trevas à luz.
Ó Cruz de Cristo, Arca de Noé que salvou a humanidade do dilúvio do pecado, livra-nos do mal e do maligno. Oh Trono de Davi e selo da Aliança divina e eterna, desperta-nos das seduções e da vaidade. Oh grito de amor, suscita em nós o desejo de Deus, do bem e da luz.
Ó Cruz de Cristo, ensina-nos que o amanhecer do sol é mais forte que a escuridão da noite. Oh Cruz de Cristo, ensina-nos que a aparente vitória do mal se desvanece perante o túmulo vazio e frente à certeza da Ressurreição e do amor de Deus, que nada poderá derrotar, ou obscurecer ou debilitar. Amém.”
*Ao concluir a Via Sacra que presidiu na Sexta-Feira Santa de 2016, em torno do Coliseu Romano, acompanhado de milhares de fieis, o Papa Francisco rezou esta oração, que escreveu especialmente para essa ocasião.

Salve Rainha



sexta-feira, março 16, 2018

domingo, março 11, 2018

No meu interior tem Deus

 Obrigado meu Deus, por este domingo de pizza, mamãe, cachorra e DVD do padre Fábio de Melo. Experiência concreta do Amor em que, como na Beleza e na Música -três coisas de resto tão semelhantes entre si- ressoam forte as razões do coração que nos "comprovam" que tu és em nós, que no nosso interior tem Deus.
Amém

sexta-feira, março 09, 2018

quinta-feira, março 08, 2018

os vendilhões do lixo

A mídia, com raras exceções, é um sistema de sabotagem da dignidade humana. Ela promove um rebaixamento proposital das nossas aptidões internas e expectativas acerca da vida, ela nos enfia por todos os poros um misto esquisito de diversão idiota e pessimismo mórbido, jogo duplo que arruína a atitude que Mário Ferreira dos Santos defendia como de otimismo espiritual, filosoficamente maduro, reflexo de um homem integrado e que caminha de cabeça erguida como um embaixador do Ser no mundo das sombras e das "sobras". A mídia, com seus vendilhões de anestesia e desespero, nos faz acreditar que somos o lixo que ela é. Que a enxotemos de nossa mente como Cristo enxota os vendilhões do templo do farisaísmo.

segunda-feira, março 05, 2018

domingo, março 04, 2018

Paraíso, paraíso, eu prefiro o paraíso



Eu prefiro o paraíso
-Mons. Marco Frisina-
Há quem ama a riqueza
E vestir-se como um rei
há quem não quer fazer nada
não gosta nem de suar.
Há quem fala sempre tanto
Mas não diz a verdade
e depois critica tudo
e para ele nada está bem
mas para mim, não senhor, não é isso que eu quero.
Paraíso, paraíso, eu prefiro o paraíso.
Paraíso, paraíso, paraíso.
Há quem crê ser muito grande
E quer ao céu assim subir,
é fanático e soberbo,
e crê ser quem sabe o quê,
Há quem sonha grandes corridas,
E quer ao céu assim subir,
Há quem quer ter êxito,
E honra em quantidade,
mas para mim, não senhor, não é isso que eu quero.

sexta-feira, fevereiro 23, 2018

Anoushka Shankar. Land of Gold


Atenção especialmente à música que começa por volta do minuto 29, "Remain the Sea":


Mother swallows golden sand 
Whispers: She's taking back what's hers 
Her feet are two split continents 
Her heart is the map of the world 

Lay with me though my storm, she says 
Be the moon to my sea
I ask her: 
But where does the heart go 
When it's taken from the motherland? 

I'm like the sky, pregnant with life
I'm searching for a safe place 
To empty 

Mother crashes her body against the shore 
Says: Pain is what we carry upon our backs 
Love is being silent about the weight 

The death of the motherland 
Is not in what we leave behind, she says 
But in everything we forget 

And you're not so privileged 
You are a child of fire and water 
The strength to be the storm 
And to carry it is within you 

So storm, she says 
And I will carry your every drop

The body is a continent 
But may your heart 
Always remain the sea

quinta-feira, fevereiro 22, 2018

O Princípio Salomé


Maud Allan como Salomé

Michele Adamson em "Shpongle live HD Part 3 Dorset Perception"

Craig Pruess, Sacred Chants Of Devi


quarta-feira, fevereiro 21, 2018

terça-feira, fevereiro 20, 2018

domingo, fevereiro 18, 2018

quinta-feira, fevereiro 08, 2018

terça-feira, fevereiro 06, 2018

domingo, fevereiro 04, 2018

quinta-feira, janeiro 25, 2018

a vida grande

"Quem deixa Cristo entrar não perde nada, nada -absolutamente nada daquilo que torna a vida livre, bela e grande"
-Papa Bento XVI-

Shpongle, Live in London


quarta-feira, janeiro 24, 2018

terça-feira, janeiro 23, 2018

O OM de Maria

Nossa Senhora do Rosário


TIBETAN FLUTE MUSIC + OM CHANTING

Maria não é um gesso a ser imposto ao corpo de mulheres forçadas a bancar as santinhas. Maria é o ícone da beleza perfeita que, como tal, se desprende da materialidade erótica para retornar à fonte platônica em que a beleza precede todos os temporários corpos belos em que se deposita como quem se empresta a si mesma. O desejo, nessas altitudes, depõe as armas, como diria Freud sobre a humildade da razão analítica ante uma obra-prima. A mulher é a obra-prima da Criação. Maria, a obra-prima dentre todas as mulheres. É a plenitude do dom do Amor que se doa até a dor.
Não nos pertencemos. Somos poeira das estrelas. Que no Ave ou no OM à Virgem saúdam a casa patrimaternal de onde viemos e aonde retornaremos. A imagem da Virgem não é um cabresto moralista, é a imagem do que somos capazes de ser se fiéis a nós mesmos, à estrela de que somos imagem, à "virgindade" das potencialidades não desgastadas, não esgotadas no redemoinho da concretude.

quinta-feira, janeiro 18, 2018

Cristo em mim


Abaixando o volume do furdunço do mundo e do ego, como quem abaixa o volume de um programa tosco de TV, se sobreleva uma música ontológica em que você pressente a numinosa presença do Mistério que no imaginário religioso ocidental  adquire o poderoso nome de Jesus Cristo. Uma música emanada do transfundo que conecta e vem ao encontro de nós junto e com todas as coisas, aparições libertas então das escamas da banalidade opressiva, revalorizadas como acontecimentos por e para uma mente também ela depurada de seu idiotismo, na etimologia do termo, nas antípodas de uma compaixão sem hipocrisia. Então o profundo e o manifesto são um só, como o espírito e carne, como o sujeito e o objeto, como o belo e a dor. Javier Bardem, neste linda cena de "To the Wonder", evoca a chamada oração de São Patrício:


Hoje me levanto com poderosa força e invoco à Santíssima Trindade com trinitária fé professando a unidade do Criador e da criatura.
Hoje me levanto com a força do nascimento de Cristo graças a seu batismo, com a força de sua crucificação e morte, com a força de sua ressurreição e ascensão, com a força de seu retorno no dia do juízo.
Hoje me levanto com a força do amor do querubim, obediente ao anjos, a serviço dos arcanjos, na esperança da ressurreição para encontrar consolo com as orações dos patriarcas, as predições dos profetas, os ensinamentos dos apóstolos, a fé dos confessores, a inocência das santas virgens, os feitos dos homens de bens.
Hoje me levanto com a força dos céus: a luz do sol, o brilho da lua, o esplendor do fogo, a velocidade do trovão, a rapidez do vento, a profundidade dos mares, a permanência da terra, a firmeza da rocha.
Hoje me levanto com a força de Deus que me guia: sua grandeza que me apóia, sua sabedoria que me guia, seu olho que me cuida, seu ouvido que me escuta, sua palavra que me fala, sua mão que me defende, seu caminho para seguí-lo, seu escudo para proteger-me, sua eucaristia para livrar-me das armadilhas do demônio, da tentação dos vícios, daqueles que me desejam mal, longe ou perto, só ou acompanhado.
Invoco hoje todo estes poderes para que se levantem entre mim e estes males, contra todos os cruéis e infames poderes que desejam o mal para meu corpo e alma, contra as invocações dos falsos profetas, contra as nefastas leis da pagania, contra as falsas leis da heresia, contra as artes da idolatria, contra os feitiços de bruxas, quiromantes e feiticeiros, contra todo conhecimento que corrompa o corpo e a alma.
Cristo que me proteja hoje contra o veneno, contra o fogo, contra morrer afogado, ser ferido para que assim venha a mim abundante consolo.
Cristo comigo,
Cristo à minha frente,
Cristo atrás de mim,
Cristo em mim,
Cristo abaixo de mim,
Cristo sobre mim,
Cristo a minha direita,
Cristo a minha esquerda,
Cristo quando durmo,
Cristo quando descanso,
Cristo quando me levanto,
Cristo no coração de todo homem que pense em mim,
Cristo na boca de quem fale de mim,
Cristo em todos os olhos que me vêem,
Cristo em todo ouvido que me ouve.
Hoje me levanto com poderosa força e invoco à Santíssima Trindade com trinitária fé professando a unidade do Criador e da criatura.
Amém!

sexta-feira, janeiro 12, 2018

sexta-feira, janeiro 05, 2018

quinta-feira, janeiro 04, 2018

oração de intercessão ao Padre Léo


"Pai santo, Pai querido, Pai amado, te louvamos e bendizemos, porque nos criastes por amor e, em teu filho Jesus, salvastes o mundo. Te louvamos e bendizemos pois, em nome de Jesus e no poder do Espírito Santo, nos possibilita a graça do homem novo e da mulher nova. Te louvamos e bendizemos pelo teu servo padre Léo que chamastes à vida e ao sacerdócio para ser instrumento do Teu amor no mundo. Com sua missão descobrimos que tu és um Deus amoroso e alegre e que sempre nos envolve em tua misericórdia.

Com ele muitos cristãos retomaram o caminho da conversão, da restauração e da cura interior. Com ele muitos casais e milhares de irmãos e irmãs se dispuseram a buscar as coisas do Alto por meio da perseverança na fé. Com ele filhos e filhas desfigurados pela dependência química e pela marginalização foram acolhidos como o próprio Cristo na Comunidade Bethânia.
Assim, querido Pai, te pedimos que pela intercessão do teu servo padre Léo, que possamos alcançar a graça de (fazer o pedido).
Ler o texto bíblico Col 3, 1-3. Rezar 1 Pai Nosso, 3 Ave Marias, 1 Glória ao Pai.
E que tudo seja para a glória e alegria de teu coração de Pai, hoje e sempre. Amém!”